Queremos Pombal virado para o Futuro. Queremos IN Pombal!

[dropcap size=”500%”]E[/dropcap]

stes últimos dias ficaram marcados na nossa cidade pela discussão em torno do futuro a dar à Casa dos Varela. Uns falam de cultura (e da sua industria criativa) e outros (como nós na JSD) de um projecto virado para o desenvolvimento, inovador e que pretende colmatar as verdadeiras necessidades sentidas no nosso concelho, no caso, na nossa cidade. Queremos uma cidade de futuro e virada para o futuro, que responda às necessidades de hoje, mas que nos prepare para enfrentar os desafios do amanha. Queremos que o edifício mais emblemático já alguma vez posto à discussão, sirva para servir Pombal… sirva de facto e não apenas que vá servindo.

Deixem-me ser claro: o que propomos para a Casa dos Varela não pode ser feito em qualquer outro lugar desta cidade. Este é o único espaço que reúne as condições necessárias para que este projecto possa ser realidade e para que esta aposta possa ter um verdadeiro sucesso. O Hostel tem de ser situado no coração da cidade, perto das “estações de chegada” e o seu conceito só faz sentido quando aplicado num edifício deste género – imponente, central e com alto valor arquitectónico e histórico. Os espaços de Co-working são espaços informais, com um conceito lounge e onde o desenvolvimento da actividade empresarial é feito numa envolvente que desperta a criatividade – sempre no coração das cidades. O gabinete de apoio ao empreendedor e ao emprego serve toda a população e faz a ligação perfeita com o espaço de Co-working – sendo ao mesmo tempo um centro de emprego, situado numa zona central da cidade e um gabinete de apoio ao investimento que, estando colado a um espaço de criação de novas empresas, não poderia servir melhor o seu propósito. Assim como o espaço para restauração/café faria a ligação perfeita com o Hostel e permitiria a toda a população disfrutar não apenas do edifício mas de toda a sua envolvente.

Este é um projecto inovador e que não existe (nestes moldes) em qualquer outra cidade do país. É diferenciador e geraria para Pombal uma diferente atractividade. Mais, cada uma das valências propostas tem uma rede própria de divulgação e procura por todo o país. Os espaços de Co-working estão cheios e têm-se revelado um enorme sucesso, assim como os Hostel’s são cada vez mais procurados e o sucesso dos já existentes não deixam margem para dúvidas de que este seria uma verdadeira mais-valia para a nossa cidade e para a nossa região. Para além disso vêm colmatar necessidades à muito sentidas: o alojamento de baixo custo e novos espaços e formas de atrair investimento e fixar pessoas.

Mas a proposta não engloba apenas isto. Fomos mais longe e quisemos também propor uma verdadeira solução para a cultura na cidade de Pombal. Sabemos que a parte mais “económica” tem sempre de vir acompanhada de actividade cultural e lúdica, para que à fixação de pessoas se junte a qualidade de vida. A solução é simples, já existe e (ainda melhor) já foi até testada naquele mesmo espaço. Quem tem hoje 24/28 anos decerto que se lembra das muitas noites e dias passadas no Celeiro do Marquês. Um espaço de pequeno/médio porte que permitia o desenvolvimento de todo o tipo de actividades culturais e que enchia de gente aquela praça. Espaço que, pela sua dimensão, permitia que se desenvolvessem mais actividades e com muito maior cadência, visto que a logística e a quantidade de gente necessária para “fazer valer” a aposta eram substancialmente menores. Tornava mais fácil, mais rápido e com muito menos “risco” a realização de qualquer tipo de actividade cultural/lúdica. Era um espaço que estava ao serviço de todos e todos acediam a ele.

O mais interessante é que na altura o Celeiro era apenas o Celeiro e hoje é o centro Cultural. O problema é que hoje nada se lá passa e antes a cultura sempre por lá passava (e com ela as gentes). O mais interessante é que esse centro cultural está completamente adaptado e contém as melhores condições possíveis para que volte a ter a actividade cultural que perdeu. Mas pode ter mais, muito mais… pode servir para ensaios de bandas de garagem (ou profissionais), pode servir para exposições, pode servir para conferências, etc. etc. etc. Pode servir para o que deve servir e pode ser o que se pretende que seja: Um Centro Cultural.

Esta é a visão da JSD para esta nossa cidade e acredito que com a mobilização de todos, pode vir a ser a visão de todos nós. Pombal assim o queira.

Eu estou IN e tu?

Pedro Brilhante

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *