O nosso Shark Tank

[dropcap size=”500%”]N[/dropcap]

ão, este não é um texto sobre o novo programa da SIC (reservo para o último parágrafo uma pequena observação sobre isso). Este texto é sobre os verdadeiros tubarões de Portugal, os até agora intocáveis do regime.

Primeiro foram os reformados dourados, em cujas mordomias ninguém ousava tocar, que viram as suas pensões reduzidas para poder aumentar as pensões sociais a quem realmente precisa. Como tubarões, bem tentaram e tentam atacar o intruso neste tanque de intocáveis que era o nosso país. Mas as mudanças vieram mesmo para ficar.

Depois foi o DDT, o banqueiro de todos os regimes, que viu o seu império deixar de ser protegido pelo Estado. E de nada lhe valeu o estatuto de tubarão. Do outro lado tinha alguém com verdadeiro sentido de Estado e sem medo de tubarões, que mais uma vez pôs os interesses do país à frente dos interesses dos do costume. Pode ter tido consequências de curto prazo para a economia, mas a longo prazo significa uma completa mudança de paradigma.

Mais recentemente foi o melhor CEO do país, que ninguém conhecia antes do Face Oculta, a ver a sua empresa sujeita ao mercado e o resultado foi o que se tem visto. Muitos dirão que o problema foi a saída do Estado. Mas o problema foi mesmo o Estado ter estado na PT. Agora sim a PT é uma empresa a sério, a competir no mercado e a representar menos um problema para o Estado.

Ontem, foi a vez de mais alguns altos representantes do Estado (com destaque para o director do SEF, curiosamente nomeado por António Costa) sentirem que a condição de tubarão começa a ser menos confortável em Portugal. Agora as coisas funcionam. Mesmo. E doa a quem doer.

Todos estes sinais, podem escandalizar hoje, ter consequências menos positivas no curto prazo, mas fazem parte da mudança de que Portugal tanto precisava. Portugal é hoje um país com muito menos tubarões. E ainda bem.

(Como prometido, deixo o meu comentário ao Shark Tank televisivo. Tenho muita curiosidade em ver como vão ser as reacções às recusas em apoiar projectos num país em que os empresários são todos os malvados e os únicos tubarões legítimos são os alimentados pelo Estado)

Nuno Carrasqueira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *