O ano de formação

[dropcap size=”500%”]T[/dropcap]

ão importante como formar, é formar-se. Numa sociedade cada vez mais exigente, mais atenta e mais crítica é importante que aqueles que se assumem como representantes dos cidadãos mostrem que dominam as matérias que discutem e sobre as quais decidem. Mas este modelo de auto-formação deve ser o ponto de partida para que se promova uma hetero-formação, para que se possa transmitir conhecimentos e pôr o público-alvo a reflectir e a discutir matérias essenciais para a sociedade.

No primeiro caso falamos da formação interna que é marca inquestionável da JSD, que promove a maior e melhor escola de formação política do país (modelo que as outras juventudes partidárias tentam copiar, mas que ainda estão a anos luz), a Universidade de Verão. Mas a par desta iniciativa existem outras de âmbito nacional, como as Universidades Europa e do Poder Local e o Saber Mais. Também ao nível distrital a JSD promove a melhor formação política, com a já conhecida Academia de Jovens Autarcas (AJA), a Academia de Inverno e a Europa.

Porém, se esta formação interna se torna cada vez de maior relevo para que os jovens militantes possam efectivamente saber daquilo que falam e optimizarem as suas propostas e os seus contributos para a sociedade, deve também ser missão destas estruturas partidárias levar a formação para além das portas das sedes. E aqui a JSD Pombal, de há vários anos a esta parte, tem-se referenciado, já que praticamente todos os anos promove uma acção de formação destinada aos jovens dirigentes de associações de estudantes, ou ainda somente candidatos. Os mal intencionados entendem isto como uma forma de cacicar estes jovens, nós encaramos com elevada responsabilidade, porque sabemos que as associações de estudantes do básico e secundário e os seus dirigentes são o parente pobre do associativismo, não existindo pessoa ou entidade que se preocupe realmente com o papel relevante que têm no meio estudantil. Assim transmitimos-lhes boas práticas, sugestões sobre o que podem desenvolver, dicas em termos legais e estatutários, programas a que podem aderir, mas acima de tudo colocamo-los a discutir, a propor e a decidir.

Mais recentemente temos desenvolvido nas escolas do nosso concelho (designadamente na Escola Secundária de Pombal, Escola Secundária da Guia e Escola Gualdim Pais), a formação sub18, um modelo criado pela JSD nacional e que tem sido sobejamente elogiado por todo o país. Através de três exemplos de fácil percepção (do quotidiano), mostramos o que é fazer política e como influenciar as decisões de quem decide. Colocamos os jovens estudantes a esmiuçar argumentos, a optar, a decidir, a votar e a pensar em formas de se fazerem ouvir. Acima de tudo levamo-los a concluir que o interesse de todos deve prevalecer sobre os interesses pessoais de cada um deles, e incentivamo-los a participar na sociedade, a serem activos socialmente seja em que fórum for. Isto nem nunca fazer referência a qualquer ideologia, a qualquer partido, nem sequer à JSD. Porque formar, não é formatar!

João Santos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *