Honrar Sá Carneiro

[dropcap size=”500%”]D[/dropcap]

evo começar por dizer que não sou um grande devoto de Sá Carneiro. Em primeiro lugar, porque acho que as devoções devem ficar para outros campos que não o da política. Em segundo, porque não é a minha única, nem maior, referência política.

Mas acredito que devemos sempre respeitar e honrar quem de uma forma ou de outra contribuiu para as estruturas a que pertencemos. E neste caso, falamos “apenas” do fundador e mais emblemático líder do PSD. Falamos “apenas” de um dos grandes lutadores pela nossa democracia: um daqueles que ainda no Estado Novo lutou na Assembleia Nacional pela liberalização (política) do país, na famosa Ala Liberal; e um dos poucos que, já no pós-25 de Abril, defendeu uma rápida transição ao regime democrático, através de eleições, às quais muito “bons democratas” se opunham, devido à “imaturidade democrática” (o melhor argumento para instalar ditaduras).

Considero portanto que qualquer homenagem que lhe seja prestada é merecida. E que qualquer evento que recorde o seu legado é uma oportunidade de reflectirmos acerca das nossas próprias acções. Escrevo isto, a propósito da tertúlia promovida pelo PSD Pombal no passado sábado, na qual infelizmente não pude estar presente por outros compromissos políticos. Apesar de não ter estado presente, penso que não podia deixar de louvar o respeito que o PSD tem pela sua história e por aqueles que a construíram.

E chegamos assim à minha reflexão final. É comum nos últimos tempos acusar-se o PSD de hoje de não respeitar a memória de Sá Carneiro. Isto porque o PSD de hoje não defende exactamente o mesmo que Sá Carneiro defendia há 40 anos atrás. Quer mudar, quer inovar e quer um país mais livre, indo contra os poderes instalados. E pergunto eu, qual é a melhor forma de honrar Sá Carneiro? Será defender aquilo que o mesmo defendia há 40 anos? (Será que o próprio Sá Carneiro defenderia o mesmo hoje?) Ou será lutar por um Portugal preparado para os desafios do presente?

Será o imobilismo a melhor forma de honrar um reformista?

Nuno Carrasqueira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *