Aleatoriedades Semanais

[dropcap size=”500%”]I[/dropcap]

MI Pombal. Nos tempos que vivemos os cidadãos já não pedem grandes obras, querem sim um alívio da sua carga fiscal que teima em engordar. Se o estado central não se encontra em condições de fazer esse alívio, os municípios, sempre que possam, devem mostrar essa solidariedade para com os contribuintes, fazendo uma clara opção pela diminuição da carga fiscal municipal. Discriminação positiva: aqueles que construírem ou arrendarem os edifícios sitos no perímetro histórico da cidade de Pombal terão uma redução considerável da taxa de IMI aplicável, incentivando à regeneração e dinamização desta zona da cidade. Discriminação negativa: os prédios rústicos florestais em situação de abandono terão um aumento da taxa de IMI. Sabemos que a esmagadora maioria destes prédios rústicos pagam valores irrisórios de taxa de IMI, pelo que a medida não será consideravelmente penalizadora para os contribuintes nem significará um considerável aumento de receitas para a CMP. Mas é uma medida exemplar e psicológica, que poderá ter efeitos muito positivos, já que o que se comentará, o que passará de boca em boca, é que os prédios florestais abandonados pagarão mais imposto. Não querendo muitos dos proprietários saber se o aumento representa muito ou pouco dinheiro, pois só o facto de saberem que pagam mais pode ser o suficiente para que pensem com os seus botões e recorram à velha máxima do “mal por mal”, e optem pelo “mal” de investir algum tempo e alguns recursos no cultivo desses terrenos. A CMP está de parabéns por estas opções!

Professores. Os professores andam revoltados porque agora têm de fazer provas para aceder à sua profissão, para poderem leccionar. Qual é a novidade? Os licenciados em Direito já há muito que têm de passar por um longo e exigente conjunto de provas para acederem à profissão de advogado. Penso que essa selecção ainda fará mais sentido para a importante e determinante profissão de professor – determinante para o percurso de vida dos seus alunos. Ainda para mais quando sabemos que o que tem vindo a acontecer nos últimos anos é que com o aumento do número de vagas dos cursos de ensino superior e a inevitável diminuição das médias de acesso, há uma grande parte dos novos professores que tiveram um percurso escolar bastante mediano ou mesmo a roçar o medíocre (não todos claro!). Eu sei que é mais fácil dizer aquilo que não custa ouvir, mas esta é a verdade. Eu tive muito bons, mesmo excelente, professores, mas também os tive muito maus. E para termos a certeza que aqueles que ensinam são os melhores, porque é assim que deve ser, é que esta selecção é elementar, para separar o trigo do joio e para dignificar essa linda profissão que é a de ensinar.

Mário Soares. Há uns tempos houve quem dissesse que este senhor já devia uns anos há terra, eu não vou tão longe, porque não o desejo a ninguém, mas que deve uns bons anos à vergonha, lá isso deve! Foi uma figura importante em dois momentos da nossa história: no combate ao regime fascista e no pós-revolução na defesa de uma democracia contra os que queriam uma ditadura comunista. Desde aí que não temos mais nada a agradecer-lhe, foi um péssimo político desde então. Esteve no auge de uma situação semelhante à que vivemos, trouxe com ele o FMI para Portugal e pediu sacrifícios a todos os portugueses e agora tem o desplante de criticar os que fazem o mesmo, mas com uma diferença, fazem-no de forma eficaz e não aplicando soluções com pés de barro! Muito há a dizer sobre este senhor, mas se ele entende que os nossos governantes merecem ser alvo de violência, o que pensarão os portugueses daqui a uns anos, quando ele deixar este mundo, e quando todos ficarmos a conhecer efectivamente o quão mal este senhor fez ao nosso país…

E a cereja no topo do bolo: “Fui obrigada a começar a trabalhar, porque o Governo deixou de nos ajudar” – manifestante em frente à AR ontem, para as câmaras da RTP. Sem comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *