A tua vida online

[dropcap size=”500%”]É[/dropcap]

verão, a maioria das pessoas está de férias, portanto, deixemos de lado a política, e vamo-nos preocupar com a Sociedade, com todos nós, e com ao que estamos expostos.

Por acaso, no dia a dia, preocupas-te com a tua “pegada digital”? Nomes, números, datas, locais, códigos pessoais… tantas são as histórias de burlas online, mas pensamos sempre que a nós não acontece. Exemplos:

– Acesso à conta bancária online – esta é engraçada, tais não são as maravilhas da internet, e as proezas de hackers que copiam na íntegra as páginas dos bancos, ficam com os nomes de utilizador e respectivos códigos de acesso, para poder movimentar as contas.

SOLUÇÃO: Para que a conta seja movimentada, dar autorização através do telemóvel, com um código que é enviado por mensagem, que tem de ser digitado na página, para qualquer movimentação da conta.

– Compras online – por norma, são feitas à confiança, vemos o produto, compramos, e fazemos a transferência, só no fim da transferência feita é que é enviada a encomenda (isto em compras entre pessoas singulares). Podemos correr o risco de a encomenda não chegar. E depois? Quem vamos responsabilizar? Isto pode acontecer em sites de compra e venda de produtos usados.

SOLUÇÃO: Pagamento à cobrança, a encomenda chega, e é nessa altura que é pago o produto, e os portes de envio.

Agora vamos para aquela que tem pano para mangas:

– Facebook (e redes sociais em geral) – Falando do FACEBOOK, por ser o caso com maior exposição, é uma plataforma perigosa. Embora com restrições nas suas definições de privacidade, à muita, mas mesmo muita informação que se pode retirar de cada um de nós.

Casos de pedofilia, assédio de menores (e não só de menores), perseguições, chantagens, a novidade do ciberbullying, pessoas com grandes estragos nas suas vidas, tudo por causa de algo que é suposto ser divertido e sem mal.

Por vezes, ouço conversas como:” fulano X não deve vir hoje, porque ontem esta em tal sitio” e eu na minha estupidez perguntar com todo o espanto: “mas como é que sabes onde está o fulano Y ?” e receber como resposta: “Vi à pouco no facebook”. Ok, como é que o fulano Y pode queixar-se de andarem a comentar a sua vida, se ele próprio se põe à disposição de ser comentado? As pessoas sabem da nossa vida, aquilo que nós quisermos que elas saibam.

Imaginemos que o fulano X tinha distúrbios mentais, e era obcecado pelo fulano Y, bom, poderia facilmente ir até ao encontro do fulano Y, e a coisa podia correr mal (isto num caso extremo). Isto acontece com crianças e adolescentes! Se há falta de educação cibernética nos adultos, as crianças irão cometer erros, e erros graves! Há inúmeros casos que todos conhecemos, mas que não damos a importância que devemos dar.

O FACEBOOK é sem dúvida uma plataforma importantíssima nas nossas vidas. Podemos comunicar com toda a gente, interagir com toda a gente, saber de tudo, e pagar o mesmo. Manter contactos, e saber novidades, arranjar clientes em qualquer ramo de negócio, e até saber as novidades das nossas lojas favoritas. Para quem tem família e amigos fora ( que cada vez é mais comum) é sempre bom saber noticias pelo mesmo preço. Mas à cuidados a ter, Nomeadamente com as crianças e adolescentes.

Como adolescentes à sempre decisões erradas que tomamos, pensamos que toda a gente nos quer bem, excepto quem realmente quer, e confiamos em toda a gente, até ao dia. Até ao dia em que se põe em risco a intimidade, e se pode chantagear com isso. São também inúmeros os casos conhecidos de suicídios ou reputações estragadas por causa da exposição em webcams e etc. Essas fotos, filmagens ou o que seja que vão parar às mãos de alguém, já nunca mais vai haver controlo sobre elas, e a coisa pode correr mal. Pessoas más sempre houve, mas não tinham os meios que têm hoje de praticar tais atos perversos e incompreensíveis, portanto o maior passo nunca deve ser o da proibição, mas sim o da educação. Os jovens devem de ser educados para a utilização!

Deixando estes tópicos, e deixando que as pessoas pensem no que realmente querem dar a conhecer, à algo muito importante, e aqui a uma escala mundial.

Isto deve realmente preocupar-nos: a espionagem internacional e a futura guerra da Informação.

Várias têm sido as noticias de agências americanas e não só, que gravam conversas telefónicas sem autorização ou conhecimento dos intervenientes, procurando indícios de terrorismo ou outros, mas por todo o mundo! Não há legislação a nível mundial para estes casos, o que permite a espionagem de simples civis que qualquer chamada que façam seja gravada e ouvida. Quando foi redigida a Declaração Universal dos Direitos Humanos, ainda não existia esta questão complexa da privacidade nos meios informáticos.

Estamos a assistir ao inicio da III Guerra Mundial, se reparar-mos na evolução que houve da I Guerra para a II Guerra, é preocupante, então vejamos a evolução dos meios desde a II Guerra até agora…. Partam agora as pernas, pode ser que não sejam chamados à guerra!

Muita coisa se pode falar sobre isto, mas prefiro pensar que a Sociedade consegue pensar nelas e preocupar-se com elas, em vez de pensar apenas no corte no subsídio de férias.

SOLUÇÃO: Educar a Sociedade para a REALIDADE!

Deixo-vos um vídeo marcante. Esta menina Suicidou-se, aconselho a visualização.

https://www.youtube.com/watch?v=gikbgGOE5II

Beatriz Branco

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *