A Educação de Ontem, os Jovens de Hoje

[dropcap size=”500%”]M[/dropcap]

uito se tem dito acerca da educação (e hoje foi mais um dia marcado pelo tema da “colocação dos professores”) mas, se considero importante haver maior estabilidade neste tema específico, mais importante, é para mim, a toma de consciência do que é a Educação.

Segundo o dicionário de Língua Portuguesa, Educação é defenida como o “processo que visa o desenvolvimento harmónico do ser humano nos seus aspectos intelectual, moral e físico e a sua inserção na sociedade” e “adopção de comportamentos e atitudes correspondentes aos usos socialmente tidos como correctos e adequados; cortesia; polidez”, por exemplo.

Pois bem, apoiando-me nestas definições, por que caminhos anda a nossa Educação? Somos netos, filhos e futuros pais que estamos constantemente a ouvir “Estes jovens de hoje… não sei onde irão parar”. Sim, não deixam de ter razão mas “é de pequenino que se torce o pepino”. Em primeiro lugar, julgo que a educação cabe aos pais, depois à escola (e aos profissionais que nela educam), à sociedade e aos políticos, claro, porque são responsáveis por definir todo o programa, entre outras coisas, a que as crianças e os jovens estarão sujeitos e, assim, serão educados.

Este tema é bastante ambíguo. Observando a nossa sociedade, esta parece-me cada vez mais “invisual”. Saímos de casa, (não) vemos o vizinho e não o cumprimentamos, (não) vemos o/a idoso/a que precisa de uma pequena ajuda ou apenas de um sorriso e seguimos, (não) vemos quem está ao nosso lado e continuamos na ignorância. São estas atitudes, por exemplo, que não cabe aos políticos mas a nós, apenas a nós, mudarmos e tornar a sociedade mais educada, mais feliz e até menos deprimida (entre 2011 e 2012 verificou-se um aumento de 7,6% na aquisição de antidepressivos e estabilizadores de humor, segundo o INFARMED).

Outro lado da educação é o rigor. “Não há excepção sem regras” mas é, igualmente, importante haver rigor nos prazos, nos tempos que nos são concedidos, nos contratos, nas palavras… Mais uma vez, considero que a educação, neste caso, o rigor, é importante quer para um simples debate quer para a produtividade de um país.

EDUCAÇÃO, tudo se resume à educação.

Susana Santos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *